quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A marcha pelo impeachment: entre a fórmula mágica e a preguiça

 

 

Matheus Pichonelli – ter, 10 de fev de 2015

 

 

“O baluarte da mudança, que joga gasolina nas manifestações ao não dizer claramente que se opõe ao governo e não aos golpes, até hoje deve explicações sobre o uso de dinheiro público para a construção de aeroportos particulares no quintal de parentes. Deve explicação também sobre o direcionamento do agrado financeiro a publicações amigas. Este mesmo baluarte, que elege sem nomear a irmã como eminência parda, galgou postos e expressões públicas por uma meritocracia curiosa: o sobrenome. Seu partido, que agora flerta com as soluções fáceis, é protagonista deste e de outros negócios igualmente impudicos, mas não igualmente debatidos nas casas das melhores famílias. Um seu ex-presidente, por exemplo, é suspeito de receber uma boa bolada para ajudar a enterrar uma CPI que agora ressurge como palanque”.

 

 

 

 

Foto: ReutersPerdi as contas, nas últimas semanas, de quantos suspiros deixei escapar ao abrir a caixa de e-mail, os grupos de WhatsApp e as timelines do Twitter ou do Facebook. Reconheço estes suspiros: são a canalização dos mesmos cansaços, preguiças e desgostos de quando recebo correntes com fórmulas mágicas para problemas complexos. Contra estupradores, tome castração química. Contra a criminalidade, pena de morte.Contra a gravidez precoce, o fim do baile funk. Contra a corrupção, o impeachment, palavra da moda em diasrecentes.

De uns meses pra cá, todos parecem preocupados, não sem certa razão, com o estado das coisas. Todos parecem dispostos a mudar o mundo. E todos parecem ter as soluções definitivas e infalíveis na ponta da língua. Nesses momentos, os riscos de se debater a revolução com quem até ontem não media palavras para dizer que não gosta, não se interessa, não tolera o noticiário político é assistir, num camarote literal (às vezes regado a espumante e corte nobre), a um festival de bobagens que na melhor das hipóteses se encerram na urgência de outras demandas (o desfecho da novela, por exemplo) e, na pior, ao velho preconceito de classes. 

O tema, oficialmente, é a inabilidade, a imprudência e a inoperância do governo (federal, pois neste mundo paralelo o poder é absoluto e a federação, um corpo estranho), mas as cotoveladas e espetadas no olho são direcionadas aos beneficiários das esmolas, aos sobreviventes de currais eleitorais, às cabra cegas de tapa-olhos afirmativos. Entre discussões calorosas sobre a preguiça e petulância dos empregados, entre a defesa da meritocracia (não vale citar o emprego nem o lobby por filhos e conjugues em nossas bolhas privativas, nem sempre privadas), são colocados em pauta os desmandos da República para demonstrar, nas entrelinhas ou não, o desprezo contra os alvos de sempre. É difícil sair de uma conversa do gênero sem se chamuscar em algum “nada contra, mas…” E dá-lhe odes ao separatismo paulista, ao incômodo com as ondas migratórias em direção às nossas riquezas ou à vontade de se mudar para países menos generosos com a nossa gentalha.

Dá preguiça, como dá preguiça ouvir soluções mágicas contra a volúpia do estuprador defendidas por quem não se envergonha em reforçar o discurso da culpa da vítima, das vulgaridades contemporâneas, das importâncias de se dar ao respeito para ser respeitada - os pilares que servem de colchão para um crime supostamente fora de nossa ação e alcance. É a cultura do atavismo a serviço da desinformação.

Nos debates acalorados sobre o impeachment de Dilma Rousseff, fica patente a nossa disposição cívica para enxugar gelo. Essa conversa ouvimos desde o Fora FHC, aludido pelas mesmas urgências que agora se rebelam contra o símbolo máximo, talvez único, de todas as nossas misérias: a presidenta da República. Em tempos de comoção, como estes, os mais assustados gritam por qualquer coisa. A rua é pública e o choro é livre, mas não deixa de ser curiosa a dificuldade para se encampar medidas efetivas para atacar o desmando agora alardeado. Nessas rodas de conversa, é firme a convicção de que estão acabando com nosso país – sobretudo por quem acaba de chegar de vigem aos exterior. Mas experiente perguntar os porquês. “Vou pra rua para combater a roubalheira”. “Quero mostrar minha indignação com tanto desmando”. “Gritemos contra a destruição da Petrobras”. 

Ok, tudo bem, indignados estamos todos, mas o quanto estamos dispostos a arregaçar as mangas e debater as mudanças a fundo? Quando a corrupção esteve no cerne das nossas prioridades corporativas? Quando decidimos aposentar nossas carteiradas? E nossas carteirinhas falsificadas de estudante? Ou nossas carteiras de motoristas compradas à vista? Quando deixamos de desviar a água da rua para o nosso quintal? 

Não deixa de ser estranho: parte dos manifestantes que agora tira o velho civismo do armário ontem aplaudia as cacetadas da polícia sobre manifestantes que denunciavam os abusos das tarifas de ônibus e metrô. Ou fazia pouco-caso com os professores da rede pública sucateada que trancavam o trânsito na avenida principal. Alguns, que até ontem falavam em Bolsa Esmola, agora juram indignação contra os ajustes em pensões e direitos trabalhistas. 

O que mudou? Nada.

A grita contra a corrupção não é de hoje e está longe de ser imerecida. O mote é tão óbvio quanto ser contra a malária, e não faz arranhão aos que se regozijam, seguros e intocados, do nosso purismo. Na sequência da linha sucessória estão três caciques do PMDB, espécie de arroz-de-festa de todos os escândalos noticiados desde a reabertura democrática, da Castelo de Areia à Operação Lava Jato. Prova disso é que Collor se foi (e voltou) e a Tropa de Choque ficou - juntamente com os destaques sobre tesoureiros e tesourarias, ainda muito bem empregados. 

O baluarte da mudança, que joga gasolina nas manifestações ao não dizer claramente que se opõe ao governo e não aos golpes, até hoje deve explicações sobre o uso de dinheiro público para a construção de aeroportos particulares no quintal de parentes. Deve explicação também sobre o direcionamento do agrado financeiro a publicações amigas. Este mesmo baluarte, que elege sem nomear a irmã como eminência parda, galgou postos e expressões públicas por uma meritocracia curiosa: o sobrenome. Seu partido, que agora flerta com as soluções fáceis, é protagonista deste e de outros negócios igualmente impudicos, mas não igualmente debatidos nas casas das melhores famílias. Um seu ex-presidente, por exemplo, é suspeito de receber uma boa bolada para ajudar a enterrar uma CPI que agora ressurge como palanque.

Nesse horizonte um pouco mais alargado, se há algo que não ameniza ou não deveria amenizar as suspeitas na Petrobras é que elas se desdobram desde outros expedientes. Ou que as empresas agora suspeitas de pagar propina em troca de contratos também financiaram campanhas de outras colorações. Não é menos desconfortável saber que, uma vez no governo, o PT manteve e aperfeiçoou as velhas práticas, transformando-se em mais um entre tantos partidos, como chegou a dizer sua figura máxima.

A desolação, embora combustível hoje para a velha indignação seletiva, é multipartidária, mas é bom lembrar: trocar o sofá da sala onde se consumou a traição não ameniza nosso impulso à infidelidade. Se alguém deseja de fato mudar o mundo, seus hábitos e vícios impublicáveis, é preciso um esforço mínimo para entender seu subtexto - e apreender a parte que nos cabe nele. Não adianta falar em limpeza ética e mandar o guarda caçar bandidos quando somos flagrados alcoolizados ao volante. Nem adianta falar em radicalismos se não vislumbramos a estrutura dos descalabros, que começa no financiamento de campanha e se encrespa no patrocínio às novas velhas legendas de aluguel.

Antes de ir às ruas, seria producente, inclusive recomendável, analisar o próprio revide e notar que a crítica aos detratores igualmente se aplica aos salvadores. No limite, vale questionar o que queremos de fato – expor nossas antipatias ou encampar as reformas necessárias? Mais que isso: o que dizem os nossos representantes direitos, do vereador ao senador, passando pelo nosso prefeito, a respeito dessas reformas? E a liderança do nosso partido favorito? Quais os projetos eles apresentaram na última legislatura? Quais as suas proposta para dirimir o fosso entre ricos e pobres ainda assustadoramente largo no país? Quem bancou as suas campanhas? O que eles defendem em plenário? Como sensibilizá-los? Com cartazes erguidos em dias de folga? Com mensagens à caixa de e-mail? Com pedidos de audiência com a sociedade civil organizada da qual somos convidados a fazer parte?

Apesar da aparente disposição em colocar tudo abaixo, nem sempre as respostas a estas perguntas são satisfatórias. Quanto mais nos afastamos da vida pública, mais nos tornamos a caricatura do cidadão vacilante, que terceiriza a função de eleger o que é bom para ele e vai dormir tranquilo o sono dos justos. Este é o caminho fácil. O outro, mais árduo, é se mobilizar, criar cartas de compromissos e buscar apoio e musculatura para encampar as mudanças consideradas urgentes. Algo parecido aconteceu na Grécia – mas este é o caminho mais difícil. Mudanças de fato exigem caminhos novos, e este é o desafio que o velho Fla x Flu, preso nas próprias sobreposições, parece incapaz de vislumbrar, entender e superar.

 

16 comentários:

Anônimo disse...

.
Coxinha que se preza não tem absolutamente nada no cerebro.
Veja quem são os eleitores do Aécio e de outros tucanos.
http://sensacionalista.uol.com.br/2015/08/16/dez-cartazes-das-manifestacoes-anti-governo-em-que-voce-nao-vai-acreditar/
.

Ana Corpo de 21 disse...

O que aconteceu com o Não Vai ter Golpe?

João Luiz Pereira Tavares disse...

Viva 2016!

Em 2016 houve fato fabuloso sim, apesar de Vanessa Grazziotin falar que não, dessa forma assim:

"O ano de 2016 é, sem dúvida, daqueles que dificilmente será esquecido. Ficará marcado na história pelos acontecimentos negativos ocorridos no Brasil e no mundo. Esse é o sentimento das pessoas", diz Grazziotin.

Mas, por outro lado, nem que seja apenas 1 fato positivo houve sim! É claro! Mesmo que seja, somente e só, um ato notável, de êxito. Extraordinário. Onde a sociedade se mostrou. Divino. Que ficará na história para sempre, para o início de um horizonte progressista do Brasil, na vida cultural, na artística, na esfera política, e na econômica.
Que jamais será esquecido tal nascer dos anos a partir de 2016, apontando para frente. Ano em orientação à alta-cultura. Acontecimento esse verdadeiramente um marco histórico prodigioso. Tal ação acorrida em 2016 ocasionou o triunfo sobre a incompetência. Incrementando sim o Brasil em direção a modernidade, a reformas e mudanças positivas e progressistas. Enfim: admirável.

Qual foi, afinal, essa ação sui-generis?

Tal fato luminoso foi o:

-- «Tchau querida!»*

[(*) a «Coração Valente©» do João Santana; criada, estimulada e consumida. Uma espécie de Danoninho© 'vale por um bifinho'. ATENÇÃO: eu disse Jo-ã-o SAN-TA-NA].


Eis aí um momento progressista, no ano de 2016. Sem PeTê. Chega de porra-louquice.

A volta de decoro ao Brasil.

João Luiz Pereira Tavares disse...

O NARCISISMO Petista:

LULOPETRALHISMO (em que os blogs esquecem de criticar):

Lula = Prejuízo. Com papo rocambolesco. Engana-trouxa. Retrógrado, nivela por baixo (BREGA). Mentiroso VIGARISTA, PeTralha, Picareta inteligente. Golpista despistado. Com olhar dissimulado. Vitimista. Charlatão, certamente! Amado por inteligentinhos caviares (ditos "intelectuais"): de araque, tal qual CHICO BUARQUE.

Lula foi incompetente quando apostou na mulher ignorante em ECONOMIA cujo nome é Dilma Rousseff.

PT tem orgulho de se dizer esquerda (sente-se com esse papo, vaidade de se "acharem"). PT, pseudo-esquerda. Hipocrisia. NARCISISTA.

O Petismo é certamente uma religião charlatã.

Cultuada na Sala Humberto Mauro, do Palácio das Artes.

maicon pereiramadruga disse...

Caramba que paizinho esse nosso!
Ainda bem que chegou o bleucaps turbo leia tudo em http://www.turbobluecaps.com.br

Amantes Da Músicas disse...

dieta para perder barriga em 30 dias

Dieta de 21 Dias dr Rodolfo Funciona disse...

Dieta de 21 Dias dr Rodolfo Funciona

Clipping Path disse...

Amazing post with lots of informative and useful and amazing content. Well written and done!! Thanks for sharing keep posting.

Vacuums for Pet Hair disse...

Esto no puede ser. Gracias por informar.

Anônimo disse...

https://linkasites.com.br/

Anônimo disse...

Estou criando um link para
a página inicial da Linka Sites.

Carlos disse...

Sem comentários para a situação político desse Brasil...Afff!!

Acessem: https://www.paraisofeminino.com.br/calcados/tenis

Unknown disse...

Excelente!
Profissional de Moveis Planejados, São Paulo - SP

Anônimo disse...

Sem comentários para essa situação do nosso pais!
Grupo de Dança Para Festa Árabe, São Paulo - SP

Anônimo disse...

Muito bom!
Utilizado em Eventos Backdrop, São Paulo - SP

Anônimo disse...

Excelente matéria!
Posso ser sua Acompanhante em Pinheiros, ao seu dispor

Marcadores