quarta-feira, 7 de maio de 2014

Marcelo Neri: Dados mostram que Brasil está mais próspero e menos desigual

 



O ministro da Secretaria Geral de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Marcelo Neri, disse que o brasileiro médio teve um crescimento de 6,9% na mediana de sua renda, nos últimos 12 meses, o que reflete o crescimento observado no mercado de trabalho do País.

Na avaliação do ministro, os dados revelam que as pessoas de classes sociais menos favorecidas estão tendo um crescimento maior.

“Em suma o Brasil está ficando mais próspero e mais igual, menos desigual, então estas são as duas tendências mais fortes, a tendência a prosperidade, apesar de alguma desaceleração econômica, a renda do brasileiro continua crescendo, o mercado de trabalho, etc., e dois, os brasileiros de menor renda, sejam eles mulheres, afro-descendentes, pessoas que moram na periferia, que moram em cidades do nordeste, pessoas de baixa educação, etc., todos eles estão tendo um crescimento acima dos outros grupos tradicionalmente incluídos”, afirmou Neri

Os dados sobre crescimento da renda e queda da desigualdade social, apontados pelo ministro, fazem parte de pesquisa sobre o bem estar da população brasileira que foi apresentada para a presidenta Dilma Rousseff na tarde da última segunda-feira(5).

“A gente basicamente fez uma avaliação do bem estar da população brasileira, das condições de vida, olhando quatro dimensões: a dimensão da prosperidade – ou seja, quanto a renda média está crescendo, não só o PIB (Produto Interno Bruto), mas a renda do brasileiro. A segunda dimensão é a dimensão da igualdade, quer dizer, os mais pobres estão tendo crescimento maior do que os outros”, explicou Neri.

“A terceira dimensão é sustentabilidade, será que este crescimento, está redução de desigualdade se sustentam no tempo; e a quarta dimensão é a dimensão da subjetividade, saber como os brasileiros sentem estas mudanças”, disse o ministro.


Em tempo:
na reunião com os demais ministros, Marcelo Neri apresentou 55 slides sobre o “bem-estar do brasileiro”, com dados sobre renda e desigualdade extraídos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da SAE.

Neri confrontou os dados utilizados pelos macroeconomistas em análises que, segundo ele, trazem informações incompletas sobre a qualidade de vida do brasileiro.

“É difícil você tentar entender o Brasil olhando para um conjunto restrito de indicadores e principalmente se você quiser tentar entender o bem-estar dos brasileiros, da população. (…) Acho que é uma realidade pouco discutida, mesmo pelos analistas da área. Acho que as pessoas não estão se debruçando nos dados”, disse.

O ministro informou que, entre 2003 e 2013, o PIB per capita real (descontados a inflação e o crescimento da população) cresceu 27,8%. Já a renda média subiu 51,7%.

Uma informação relevante foi pouco divulgada: a renda dos 10% mais pobres avançou 106,17%.

“As séries estatísticas mostram uma continuidade surpreendente. A desigualdade no Brasil cai e a renda média das pessoas continua subindo independente da conjuntura macroeconômica”, afirmou.

Marcelo Neri foi efetivado como ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE). Participaram da reunião ministros da área econômica, como Miriam Belchior (Planejamento, Orçamento e Gestão), e da área social, como Tereza Campello (Desenvolvimento Social) e Eleonora Menicucci (Secretaria de Políticas para as Mulheres).

 

Nenhum comentário:

Marcadores